Console virtual

Usando consoles virtuais

25 25America/Sao_Paulo dezembro 25America/Sao_Paulo 2017 Off Por Sidney silva santos

A maioria dos sistemas Linux que incluem uma interface de desktop inicia vários consoles virtuais para rodar no computador. Consoles virtuais são uma maneira de ter várias sessões de shell abertas ao mesmo tempo, além da interface gráfica que você está usando.

Você pode alternar entre os consoles virtuais, segurando as teclas Ctrl e Alt e pressionando uma tecla de função entre F1 e F7. Por exemplo, no Fedora, pressione Ctrl+Alt+F1 (ou F2, F3, F4 e assim por diante até F7 na maioria dos sistemas Linux) para exibir um dos sete consoles virtuais. O primeiro espaço de trabalho virtual no Fedora é onde a interface gráfica está e os seis consoles virtuais seguintes são consoles virtuais baseados em texto. Você pode voltar para a interface gráfica (se estiver em execução), pressionando Ctrl+Alt+F1. (Em alguns sistemas, a interface gráfica roda no console virtual 7 ou 5.

Portanto, você deve voltar à interface gráfica, pressionando Ctrl+Alt+F5 ou Ctrl+Alt+F7).

Experimente isso agora. Segure as teclas Ctrl+Alt e pressione F3. Você deverá ver um prompt de login em texto simples. Faça login usando seu nome de usuário e senha. Experimente alguns comandos. Quando terminar, digite exit para sair do shell. Então, pressione Ctrl+Alt+F1 para voltar para sua interface de desktop gráfica. Você pode ir e voltar livremente entre esses consoles gráficos.

Na maioria dos sistemas Linux, o shell padrão é o shell bash. Para descobrir qual é seu shell de login padrão.

O comando who am i exibe seu nome de usuário e o comando grep (substituindo chris pelo seu nome) exibe a definição de sua conta de usuário no arquivo  /etc/password. O último campo nessa entrada exibe que o shell bash (/bin/bash) é o shell padrão (aquele que inicia quando você faz login ou abre uma janela de terminal).

É possível, embora não provável, que você tenha um conjunto padrão de shells diferente. Para tentar um shell diferente, basta digitar o nome do shell (exemplos incluem ksh, tcsh, csh, sh, dash e outros, assumindo que eles estão instalados). Você pode experimentar alguns comandos nesse shell e digitar exit quando terminar para voltar ao shell bash.

Você pode optar por usar shells diferentes, pelas seguintes razões:Você está acostumado a usar sistemas UNIX System V (muitas vezes ksh por padrão) ou Sun
Microsystems e outras distribuições baseadas no UNIX Berkeley (frequentemente csh por padrão) e você se sente mais à vontade usando shells padrão a partir desses ambientes.

Você deseja executar scripts de shell que foram criados para um ambiente de shell específico e precisa executar o shell para o qual eles foram feitos a fim de poder testar ou usar esses scripts em seu shell atual.

Você simplesmente prefere os recursos de um shell aos dos outros. Por exemplo, um membro do meu grupo de usuários do Linux prefere ksh ao bash, porque não gosta do modo como os aliases são usados com o bash.

Embora a maioria dos usuários do Linux prefira um shell ou outro, quando você sabe como usar um shell, você pode aprender rapidamente qualquer um dos outros consultando ocasionalmente a página man do shell (por exemplo, digite man bash). As páginas man (descritas mais adiante na seção “Obtendo Informações sobre os Comandos”) fornecem a documentação para os comandos, formatos de arquivos e outros componentes no Linux. A maioria das pessoas usa o bash só porque não têm um motivo especial para usar um shell diferente. O resto desta seção descreve o shell bash.

O Bash inclui recursos originalmente desenvolvidos para os shells sh e ksh nos primeiros sistemas UNIX, bem como alguns recursos do csh. Espere ver o bash como o shell padrão na maioria dos sistemas Linux que você usar, com a exceção de alguns sistemas Linux especializados (como alguns que são executados em dispositivos embarcados) que podem exigir um shell menor que precisa de menos memória e requer menos recursos. A maioria dos exemplos neste capítulo se baseia no shell bash.

Anúncios